Comerciantes do Ouro Verde começam 2019 
com onda de furtos e assaltos

12/02/2019

Comerciantes da Avenida Suaçuna iniciaram 2019 tendo de enfrentar uma realidade difícil e   cruel: a onda de assaltos

e furtos nos estabelecimentos. A sensação de insegurança é grande na região e eles reclamam da vulnerabilidade do comércio

local.  A Suaçuna é um dos principais pontos de comércio na região e tem tido prejuízos por conta da ação de bandidos.


O comerciante Leandro Diniz pede para “ser lembrado” pela polícia. “Na minha região aqui da avenida, no Dic 5, nossos principais problemas são relacionados a pequenos delitos como furto de pessoas que passam de forma esporádica. Um pela razão de não ter policiamento ou ronda dia a dia em nossa avenida e dois porque parece que nem existimos na Prefeitura como comércio, partindo

do princípio que pra regularizar uma alteração de endereço na firma ou CNPJ causa muito transtorno por não estarmos com zoneamento específico como comércio. Tudo muito complicado desde roubo a policiamento e até mesmo sermos lembrados”, reclamou o comerciante.


Identificado como Junior, o comerciante teve seu estabelecimento alvo de ladrões, trazendo grande prejuízo.

“Entraram na minha oficina. Sou de uma funilaria. O prejuízo foi grande”, lamentou.
Outra comerciante identificada como Marcia, proprietária de uma loja de acessórios, afirmou ter sido vítima de um golpe

de ladrões, se diz “vulnerável” e cobra mais segurança.
“Sou proprietária de uma loja de acessórios e fui vítima de um de golpe, meu prejuízo não foi grande, mas acho que a falta

de segurança nos causa uma impotência muito grande. Ficamos vulneráveis a todos os tipos de delitos”, afirmou.
Em meados de outubro do ano passado, comerciantes da Avenida Suaçuna criaram um grupo de WhatsApp para se protegerem

de casos de roubos e furtos. O motivo era que já naquela época a avenida vivia um boom de roubos e furtos a estabelecimentos.
O objetivo do grupo é indicar suspeitos e se prevenir de invasões e crimes contra os comércios.


É muito importante que comerciantes registrem boletim de ocorrência quando sofrem roubos ou furtos em seus estabelecimentos.
A Polícia Militar informou que haverá reunião com os comerciantes sobre o assunto e que continua diuturnamente na região a qual, pelas peculiaridades, são realizadas operações e apoio de diversos tipos de policiamento, como o BAEP (Batalhão de Ações Especiais de Polícia).


O presidente do Conseg (Conselho Comunitário de Segurança), Nilton Cezar de Souza pede que os comerciantes participem mais

das reuniões do conselho e mantenham contato direto com os órgãos de segurança pública para um melhor diálogo e entendimento dos seus próprios problemas. “Participem das reuniões do Conseg e falem diretamente com as autoridades”, pediu.
As reuniões acontecem nas primeiras terças-feiras de cada mês, às 19h, no salão da Paróquia São Geraldo Magela, Rua Jetiba, 804, na Vila Aeroporto.

Paulo Medina

Assalto - Forro Supermercado.jpg

Jornal Legal © 2019 - Todos os direitos reservados