Falta de profissionais de saúde prejudica atendimento de acamados em hospital

Paulo Medina

10/11/2019

A falta de profissionais de saúde como fisioterapeutas, pediatras e enfermeiros tem deixado pessoas acamadas sem atendimento domiciliar na região do Ouro Verde. A ausência de atendimento ocorre após as rescisões contratuais da Prefeitura de Campinas com a Organização Social Vitale e os escândalos de corrupção no Hospital Ouro Verde. Os profissionais realizavam até dois atendimentos por semana e agora não há mais frequência nas casas. A reclamação é

do morador do Jardim Shangai, José Roberto Pereira, que possui um filho acamado de 36 anos, com paralisia cerebral

desde o nascimento.


Na região Sudoeste, onde se localiza o distrito, é o Sad (Serviço de Assistência Domiciliar) quem realiza os atendimentos.
“Somos 98 acamados na região Sudoeste e estamos em situação de desespero, está faltando essa assistência pra nós, precisamos de     apoio. Os profissionais vinham duas vezes na semana e agora não estão vindo mais desde setembro.

Ligo, insisto, meu filho tem um pulmão com muita secreção e precisa de uma massagem da fisioterapia. Ele é acamado,

tem paralisia cerebral desde o nascimento. Tem 36 anos e eu sou o único cuidador, pois minha esposa faleceu há um ano”, contou Pereira, em busca de atendimento para seu filho.


Ele destacou que ainda faltam enfermeiros e insumos como sonda e luvas. “Nesse período de transição da Rede Mário

Gatti a gente não vê mais ninguém. Sonda, luvas, insumos estão faltando, pois forneciam pra gente”, cobrou.


Campinas tem o Serviço de Assistência Domiciliar desde 1993, com a proposta assistencial de atendimento à pacientes acamados, com patologias incapacitantes, terminais e sujeitos a internações recorrentes. O SAD deveria atender em todo município pacientes portadores de doenças crônico-degenerativas agudizadas, portadores de patologias que necessitam de cuidados paliativos e portadores de incapacidade funcional, provisória ou permanente, sendo também priorizados os atendimentos a idosos com dificuldades especiais, que denotem necessidade de atendimento domiciliar.


O que disse a Rede Mário Gatti

Em reposta ao Jornal Legal, a Rede Mário Gatti de Urgência e Emergência informou que na semana passada, uma nova empresa assumiu os serviços do SAD (Serviço de Atendimento Domiciliar) Sudoeste. Foi iniciada a transição e a empresa tem até o final do mês para assumir 100% do serviços prestados.  A rede reforça que não haverá mudanças e que o atendimento aos 102 pacientes está mantido. Os atuais funcionários continuarão realizando as visitas domiciliares

enquanto cumprem aviso prévio. O SAD é um programa consolidado na estrutura da Secretaria Municipal de Saúde Campinas. São cinco núcleos do serviço, divididos pelas regiões da cidade e a troca da equipe ocorrerá somente no SAD Sudoeste. A mudança faz parte da reestruturação que vem sendo realizada no Hospital Ouro Verde desde a criação da

Rede Mário Gatti de Urgência, Emergência e Hospitalar.

Jornal Legal © 2019 - Todos os direitos reservados