Ouro Verde já vive epidemia de dengue

Paulo Medina

27/05/2019

Entre Janeiro a 27 de maio deste ano foram confirmados 16.445 casos de dengue. A região com maior número de casos é

a Noroeste, que abrange o distrito do Campo Grande, com 5.079 registros. Em seguida vem a Sudoeste, onde está o distrito

do Ouro Verde, com 3.993 e a Sul, que inclui a região do Campo Belo, com 3.920 casos.


Foram registrados três óbitos de moradores de Campinas, sendo uma   criança de 5 meses, do sexo feminino, uma mulher de 19 anos e um idoso de 92 anos, todos atendidos pela rede privada de saúde do município. A criança e o idoso eram residentes na Região Sul, já a jovem morava na Região Norte da cidade


Mais do que nunca é importante a colaboração da população, eliminando qualquer recipiente capaz de acumular água e servir de criadouro para o mosquito, incluindo garrafas PET, tampinhas, latas, sucatas e entulhos de construção, além de efetuar a limpeza

das calhas de telhados e caixas d’água. O ciclo do mosquito de ovo, larva, pupa e adulto pode se completar em oito dias e,

portanto, a retirada de criadouros deve ser regular.


Entre 1º de janeiro e 30 de abril de 2019 mais de 320 mil imóveis foram visitados pelas equipes que atuam no controle da dengue. No mesmo período, cerca de 73 mil imóveis foram nebulizados com inseticida e aproximadamente 203 mil imóveis tiveram criadouros removidos. 
A nebulização, que é usada para eliminar o mosquito em sua fase adulta, teve de ser suspensa semanas atrás, pois o Ministério

da Saúde não está mais fornecendo o inseticida usado neste processo. Segundo o governo federal, há um desabastecimento momentâneo do produto em todo o território nacional. 


A Prefeitura afirma atuar em diversas frentes com o objetivo de eliminar os criadouros e evitar o nascimento de novos mosquitos. Todos os dias, 804 profissionais do quadro próprio da Prefeitura atuam nas ações de prevenção de campo. Compondo esse quadro,

e para reforçar o trabalho de campo, foi contratada, em julho de 2018, uma empresa, com 120 profissionais, que realiza telagem

de caixas d´água e controle de criadouros. Também faz parte do escopo da empresa a realização da nebulização em áreas de transmissão de dengue, o que será retomado a partir  do mês de junho conforme previsão de abastecimento do Ministério da Saúde. 
Recentemente, foi feita uma reorganização dos centros de saúde priorizando o atendimento aos casos de dengue pessoas com sinais e sintomas da doença são atendidas prioritariamente, sem precisar marcar consulta antes.

Além disso, foi criado um serviço de referência com um centro de hidratação para atendimento aos pacientes com dengue, que funciona no centro de saúde  São Bernardo. Desde 1º de abril, 350 pacientes foram atendidos no local. Pacientes de maior risco

são atendidos nos hospitais e prontos-socorros.

Jornal Legal © 2019 - Todos os direitos reservados